Lula pretende acabar com o Auxílio Brasil e voltar com o Bolsa Família

0

Lula vai acabar com o Auxílio Brasil quando assumir o poder e já deixou claro que pretende fazer algumas mudanças no programa social do governo federal.

Luís Inácio Lula da Silva (PT) conseguiu derrotar Jair Messias Bolsonaro (PL) com 50,9% dos votos em uma disputa muito acirrada pelo voto dos brasileiros.

O agora eleito Lula deixou claro durante sua campanha eleitoral que acabaria com o Auxílio e voltaria ao programa Bolsa Família.

Lula acaba com o Auxílio Brasil

Lula vai acabar com Auxílio Brasil

Lula vai acabar com o Auxílio Brasil e voltar em breve com o Bolsa Família. Apesar disso, uma de suas promessas seria manter o valor em R$ 600.

O valor original do programa é de R$ 400, mas o governo Bolsonaro autorizou um adicional de R$ 200 até dezembro deste ano como parte de uma ação extraordinária. O atual presidente viu a mudança como uma estratégia política para tentar a reeleição.

Lula pretende mudar o nome do Auxílio Brasil para Bolsa Família, programa criado em 2003 em seu primeiro mandato, e fazer algumas mudanças.

O que vai mudar no Auxílio?

Segundo Lula, o valor do novo Bolsa Família continuará sendo de R$ 600, mas serão acrescidos R$ 150 para cada criança da família com menos de 6 anos.

A frequência escolar das crianças e o acompanhamento da saúde da família também serão exigidos.

Certas vacinas, como a Covid-19, podem se tornar obrigatórias para receber o Bolsa Família.

Quem recebeu Aid Brasil será excluído do Bolsa Família?

Não a princípio. Um pente fino no programa pode ocorrer porque este é um método muito comum, mas também haverá prompts para que o titular modifique seu registro.

Dessa forma, apenas as famílias que não cumprirem as regras do programa ou que estiverem com o Cadastro Unificado desatualizado serão retiradas do Auxílio Brasil.

É importante notar que qualquer mudança não deve acontecer até 2024, pois o orçamento de 2023 é bastante reduzido e os gastos prometidos por Lula devem ser ajustados ao orçamento aprovado por Bolsonaro antes do final de seu mandato.

Leia também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.